Sempre enxergando mais a fundo

Time is money

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

On 05:15 by Oziel Araujo in    Sem comentários
Estão abertas, até 27 de fevereiro, as inscrições para o curso de difusão tecnológica “Laboratório de introdução ao processamento de imagens e reconhecimento de padrões utilizando a linguagem Python e biblioteca Numpy”, uma iniciativa da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), com o apoio da Escola de Extensão da Unicamp (Extecamp).  

O curso está em sua quarta edição, é on-line, gratuito e está aberto a todos os interessados. 

Os objetivos do evento são aprimorar as habilidades de programação dos alunos usando o modelo de programação matricial, evitando o uso de comandos explícitos de laço, e apresentar conceitos práticos de processamento de imagens e reconhecimentos de padrões. 

O curso também visa difundir o uso do pacote numérico Numpy e propiciar um ambiente moderno de aprendizagem teórico-prática de programação matricial utilizando a plataforma colaborativa Adessowiki. 

“O curso é oferecido em cinco módulos. Dados e ambiente de programação permanecem na nuvem, bastando ao aluno utilizar um navegador e uma conexão de internet de boa qualidade. Além disso, a possibilidade de análise e leitura de programas feitos pelos colegas permite maior interação e aprendizado coletivo”, disse o professor responsável, Roberto Lotufo. 

O curso será ministrado entre 1º de março e 11 de abril. Inscrições e mais informações podem ser encontradas em 


http://adessowiki.fee.unicamp.br/adesso-1/.


Fonte: Agência FAPESP

Oziel Araújo
Oziel Araújo, graduando em Geofísica pela Universidade Federal do
 Pampa - Caçapava do Sul, Brasil.

domingo, 15 de fevereiro de 2015

On 07:18 by Oziel Araujo in    Sem comentários

Cada um tem seu estilo único de aprendizado, cronograma e orçamento. É por isso que a Geosoft desenvolveu uma variedade de treinamentos, que podem ser presenciais ou online. Também desenvolveu, juntamente com sua equipe, treinamentos personalizados que atendam às necessidades individuais.

Para 2015 foi lançado o Calendário de Cursos Públicos Geosoft. 


As vagas são limitadas, e para maiores informações entrar em contato: info.sa@geosoft.com




Estudantes possuem desconto no valor da inscrição. 

Fonte: Geosoft Brasil



Oziel Araújo
Oziel Araújo, graduando em Geofísica pela Universidade Federal do
 Pampa - Caçapava do Sul, Brasil.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

On 15:41 by Oziel Araujo in ,    Sem comentários


Não um, mas dois núcleos. Um interno ao outro: o núcleo da Terra revela um segredo surpreendente e as ondas sísmicas provocadas dos terremotos se tornam um instrumento de pesquisa do grupo Sino-Americano, publicado na Nature Geoscience. 

Utilizar as ondas sísmicas produzidas no trajeto de um terremoto para estudar a parte interna do  núcleo terrestre. Essa é a ideia que guia a pesquisa de Tao Wang, Xiadong Song e Han  Xia, três pesquisadores das Universidades de Nanchino (Institute of Geophysics and Geodynamics, State Key Laboratory for Mineral Deposits Research, School of Earth Sciences and Engineering) e autores  de Illinois.

A estrutura e o comportamento do núcleo interno do planeta que habitamos pode ser bem mais complexa  do que havíamos imaginado. Dois núcleos, um interno ao outro, com características que se confirmadas poderão abrir novos cenários nas informações e o desenvolvimento do nosso planeta.

Havendo dimensões inferiores àquelas da Lua, por exemplo, o núcleo interno-interno da Terra apresenta características completamente diferentes daquele núcleo sólido  de ferro que imaginávamos. Os cristais de ferro se separariam ao estrato externo do núcleo e seriam alinhados direcionalmente segundo as direções Norte-Sul. Diferente do núcleo interno: alinhado perpendicularmente nas direções Leste-Oeste e provavelmente composto de um cristal diferente do ferro.

Nos encontramos exatamente no centro da Terra, muito mais além do que Jules Verne pudesse imaginar. Para chegar a esta profundidade os pesquisadores chineses se serviram das ondas sísmicas geradas dos terremotos. Como em âmbito da medicina, os médicos se servem do ultrassom para ver ao interno do corpo do paciente, no âmbito da geociência, os geofísicos têm conseguido executar uma varredura do planeta utilizando os dados recolhidos a partir de terremotos

Leia mais em  Estadão.



Oziel Araújo
Oziel Araújo, graduando em Geofísica pela Universidade Federal do
 Pampa - Caçapava do Sul, Brasil.